Hormônios da felicidade: você sabia que treinar te deixa mais feliz?

Pense e responda: o que te faz feliz? Geralmente, ser feliz não é algo que exige muitos esforços, realizações ou conquistas. Pelo contrário, na maioria das vezes, a felicidade pode ser encontrada em coisas simples do nosso dia a dia e conta com a ajuda de substâncias conhecidas como hormônios da felicidade.

E então, a felicidade é um estado de espírito ou o resultado de um processo biológico em nosso organismo? Bom, claro que existem situações e momentos que nos deixam alegres e que são vivenciadas de acordo com o que o nosso coração sente. Mas independentemente do motivo, há hormônios que entram em cena quando isso acontece, entre eles a serotonina e a endorfina.

Todo mundo passa por momentos ruins e tem momentos difíceis. Ainda bem que algumas atitudes em nosso dia a dia podem aumentar a produção e liberação dessas substâncias. Elas são capazes de melhorar o nosso humor e espantar a tristeza e o desânimo.

Quer saber como agem e o que fazer pra estimular os hormônios da felicidade? Continue a leitura que já vamos contar!

O que são hormônios da felicidade?

Nosso corpo regula a maneira como nos sentimos por meio de substâncias químicas especiais, chamadas de neurotransmissores. Todos nós possuímos variados tipos, cada um com seu próprio papel. A serotonina e a endorfina são dois neurotransmissores importantes que afetam o humor, níveis de energia e bem-estar geral.

A serotonina é frequentemente chamada de hormônio da felicidade porque melhora a disposição e ajuda no combate à depressão. Precisamos de níveis saudáveis de serotonina pra estabilizar o humor, dormir bem e sonhar. Ela também influencia muitas funções fisiológicas que você, provavelmente, nem imagina, como o controle da pressão arterial, digestão e regulação da temperatura corporal.

Uma quantidade adequada de serotonina proporciona estabilidade emocional e social, enquanto baixos níveis estão associados a vários distúrbios mentais. Que incluem: depressão, ansiedade, TPM, desejos por certos alimentos — como carboidratos e doces —, pensamentos obsessivos e dependência de álcool ou drogas.

Já a endorfina é considerada um analgésico natural, o que significa que diminui a percepção de dor e desencadeia uma sensação positiva no corpo, semelhante à da morfina. Ela também atua como sedativo e ajuda a relaxar o corpo e a mente, combate o estresse e proporciona bem-estar e alegria.

Sintomas de desequilíbrio de endorfinas incluem alterações de humor e nível de energia, além de sensibilidade aumentada à dor. Pois é, sem ela fica muito mais difícil encarar a rotina!

Como eles são liberados durante os exercícios físicos?

O exercício aumenta a produção da serotonina no cérebro em nosso organismo. Existem duas maneiras pelas quais isso acontece. Primeiro, a atividade física eleva a frequência cardíaca e a velocidade com que a serotonina é disparada dentro do cérebro. O resultado é um aumento tanto na liberação quanto na produção dessa substância.

Em segundo lugar, o exercício regular aumenta o nível de triptofano no cérebro — um aminoácido usado na fabricação da serotonina. O mecanismo exato ainda não é totalmente claro, mas é certo que o exercício aeróbico melhora o humor por meio do aumento dos níveis de serotonina no cérebro.

A endorfina é liberada durante o exercício porque ele é uma forma de estresse saudável, o que gera um estado de euforia. Após sua produção, a endorfina se liga a receptores em todo o nosso corpo, o que ajuda a minimizar a dor.

Após o exercício, as endorfinas podem auxiliar na diminuição da frequência cardíaca e da pressão arterial, estabilizar a respiração e restaurar a temperatura normal do corpo. Isso nos permite relaxar. Afinal, depois de dia puxado, nós merecemos!

Quais os benefícios dos exercícios para o corpo?

Além de estimular a produção dos hormônios da felicidade, os exercícios físicos, quando praticados de forma regular, são hábitos saudáveis e têm efeitos comprovados em:

  • reduzir o estresse;
  • melhorar a qualidade do sono;
  • fortalecer o coração;
  • aumentar a disposição;
  • controlar a pressão arterial;
  • reduzir os níveis de colesterol;
  • melhorar a força e o tônus muscular;
  • ajudar na perda de peso;
  • diminuir o risco de doenças do coração, diabetes e osteoporose;
  • fortalecer o sistema imunológico;
  • aliviar a tensão muscular;
  • desenvolver estruturas ósseas saudáveis.

Como eles podem combater a depressão e a ansiedade?

Durante o exercício físico, não é só o suor que ajuda o organismo a se livrar de substâncias prejudiciais e tóxicas ao organismo. Quem se exercita regularmente tem proteção extra contra a depressão e costuma lidar melhor com a ansiedade.

Isso mesmo, a atividade física é uma das coisas que mais impulsionam a produção dos hormônios da felicidade e oferece inúmeros benefícios pro nosso corpo e mente. Ela funciona de maneira semelhante à meditação pra aumentar o bem-estar.

Algumas das maneiras como o exercício auxilia na liberação de endorfina e serotonina e, portanto, melhora aquele mau humor incluem:

  • aumento da autoestima, pois nos sentimos bem ao cuidarmos da nossa saúde;
  • proporciona uma sensação de realização e domínio do nosso corpo e mente;
  • combate a insônia, o que nos dá ânimo para um novo dia;
  • mantém nossa motivação a continuar tentando melhorar o presente e futuro;
  • deixa você com uma visão mais otimista, positiva e energizada da vida.

Quais os melhores exercícios pra liberá-los?

Tanto os exercícios aeróbios quanto os anaeróbios provocam o aumento da concentração desses neurotransmissores em nosso organismo. Ainda assim, nem todas as atividades físicas têm igual estímulo sobre a liberação dessas substâncias. Pois, a produção desses hormônios, é maior quando o exercício é de alta intensidade.

Pra surtirem o efeito desejado, a série de exercícios deve ser moderada. Vários estudos mostram que liberamos mais os hormônios da felicidade quando fazemos com frequência atividades de intensidade moderada e que gostamos. Lembre-se: o melhor esporte que existe é aquele que você pratica por prazer e não por tortura!

Não existe um tempo de exercício mínimo a partir do qual essas substâncias começam a ser liberadas de maneira mais intensa. Então, quem busca todos os benefícios para a mente e o corpo promovidos pelos hormônios da felicidade, deve praticar atividades como corrida, caminhada, ginástica, pilates, ciclismo, natação ou até mesmo treinar em casa pelo menos 3 vezes durante a semana.

Agora que você já sabe que as atividades físicas geram hormônios importantíssimos pro seu bem-estar, que tal compartilhar nosso post em suas redes sociais e ajudar seus amigos a conquistarem mais felicidade?